sexta-feira, 4 de julho de 2008

MEC e a Avaliação a Distância


O erro da avaliação presencial

Entramos agora num dos pontos mais polêmicos sobre a educação a distância: a avaliação. Inúmeros são os estudos científicos sobre avaliação, e diversas linhas são fortemente defendidas pelos mais renomados autores.

Particularmente, temos uma posição que contraria os que entendem que a verificação do conhecimento tem que ser “cara-a-cara”.

Com a evolução dos meios tecnológicos, é possível se encurtar distâncias, evitando que os alunos ou avaliadores se desloquem para os chamados “momentos presenciais”. A legislação sobre EAD, a nosso ver, nasceu ultrapassada.

Acreditamos que é possível se ensinar a distância, mas insistimos em negar esse crédulo em se tratando de avaliação. Hoje é possível, na medicina, fazer-se uma avaliação diagnóstica pela internet e até mesmo se operar um paciente.

No âmbito judicial, os juízes fazem teleaudiências e, sem o deslocamento de presos, os absolvem ou condenam a longas penas. Mas, na educação, tem sido diferente.

Os estudantes têm que viajar ou as escolas precisam enviar os avaliadores (ou trabalhos) para a aferição de conhecimentos adquiridos ao longo do curso.

Os mecanismos modernos da teleducação irão fazer com que o conceito de presença mude. Iremos ter, com absoluta certeza, uma mudança da definição de presença, passando de física para virtual.

Através de uma simples câmara eletrônica, é possível se existir um “cara-a-cara eletrônico”. Essa tese será muito combatida por diversos segmentos.

Não acreditar na avaliação a distância é relegar a EAD.

Aliás, em todo o processo de mudança, há sempre quatro grupos: o primeiro, dos “críticos”, que procuram de lupa os possíveis erros para difundi-los e afirmar que isso não dará certo; o segundo, dos “vítimas”, que se sentem ameaçados pela perda do seu espaço. Os dois representam, somados, 20%. Há um terceiro grupo que, em média, corresponde a 70%. São “os indecisos”, conhecidos também como “em cima do muro” ou “atrás da moita”, que ficam espreitando para depois se posicionarem, para frente ou para trás. Por fim há os “navegadores”, que não ultrapassam 10% e são constituídos por elementos que fazem as coisas acontecer e trazem para segmento os indecisos.

Dizem os especialistas nessa análise que não vale muito a pena se perder tempo com os críticos e vítimas. O exercício de convencimento será muito desgastante e quase sempre não traz bons resultados práticos, muito embora deva ser tentado.

Estamos agrupando navegadores que possam fazer as mudanças.

Na vida existem dois futuros: um do destino, onde se acredita que as coisas acontecem por um curso natural. Outro o do desejo, que é fruto de nossa vontade.

Que possamos integrar esse último e mudar um sistema que há séculos funcionou enquanto não existiam mecanismos da virtualidade.

Alves, João Roberto Moreira

http://eadvirtual.com/cursos/

2 comentários:

João Maria Andarilho Utópico. disse...

Não poderia deixar de comentar este artigo. Muito bom e bem reflexivo com números e tudo. Realmente fazemos operações à distância, aprendi a colocar pocast através de seu bolg. Tudo virtualmente e à distância.

Licínio Filho disse...

Oi João,
estou buscando formas de conciliar o ensino presencial com o ensino à distância. O blog tem sido um instrumento muito bacana, se tiver oportunidade, acesse o blog 100% Quinta Série, onde desenvolvo meu trabalho com alunos do 5ª série aqui em Pitangui. Será um prazer recebê-lo por lá.

Abraços.

OUÇA UMA MATÉRIA SOBRE EAD VIA RÁDIO CBN